Boia

Foto e Grafia: Irka Barrios

Desliza barranco abaixo, choca-se com alguns pedregulhos, raízes, galhos secos e rola de encontro ao leito do rio. A menina chora a perda do companheiro de sono e brincadeiras, mas de nada adianta. Porque os rios, tanto quanto as pessoas, buscam o momento de ser foz.

O ursinho boia, acompanhando as águas esverdeadas de curso tortuoso. A correnteza, nada domesticável, por vezes se enfurece. Atira-se contra pedras de tamanhos diversos, forma cascatas de alturas vertiginosas, amedronta. Em outras paragens torna-se traiçoeira, formando redemoinhos que prendem o bicho de brinquedo, forçando-o a girar sobre si sem encontrar saída. Ou esperança.

Mas o rio não sabe que o bonito é a jornada, e teima. E quando chega ao final, ao sonhado deságue, não há meio de retroceder. O tempo se esgotou. Então as águas voltam à mansidão porque não há remédio que recupere o que ficou para trás.

O rio muda, mas muda também quem espera.

Na chegada, a distância se faz ainda mais cruel. Exausta pelas exigências do percurso, a mão não alcança o ursinho. E sobre as águas, resta a sombra da menina que um dia foi.

.

Foto por Irka Barrios

 

Irka Barrios foi premiada com a segunda colocação no concurso Brasil em Prosa (Amazon/Jornal O Globo, 2015). Idealizadora do projeto Um livro por sua história. Participa de diversos projetos de coletâneas de contos, como o Onisciente Contemporâneo (Ed. Bestiário – 2016) e Contos para ler a três (Ed. Bestiário – 2016). Organizadora do site A Boa Prosa.

Deixe sua avaliação:
- Avaliações: 3 - Média: 5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*