O que o menino não disse ao fotógrafo

Foto e Grafia: Betzaida Mata |

Entenda, moço da câmera, e não me peça para rir mais do que dou conta. Sim, sou um criança e crianças devem ser alegres. É o que dizem. Além do mais, estou pintado de palhaço. Palhaço vive rindo, não é? Mas eu não. Vê? A tinta do rosto borrou. Ah, moço, não fique triste! Se chorar, pode acabar estragando a lente. Uma lente dessa custa caro, não custa? Além do mais, é assim mesmo. Quem falou que só as coisas velhas perecem? Está tudo estragando o tempo inteiro. Até em nós, as crianças, tudo sempre estragando.

Ainda bem que o senhor existe. O senhor e a sua máquina de tirar retrato. Rápido no gatilho, pesca a hora certa, antes que o quadro se transforme noutra coisa. Mas nem sempre funciona. Paciência. Às vezes, quando se consegue acertar o foco e ajustar o flash, já era! A imagem não é mais a mesma. A pintura borra, o sorriso entorta, o pássaro levanta voo e sai do enquadramento. Fazer o quê?

Eu sei que está decepcionado comigo. Queria capturar meu sorriso e só tenho um olhar cansado e triste. “Triste por quê? Cansado de quê?” É o que qualquer adulto me perguntaria e o senhor também – tenho certeza – está doido para me fazer essa pergunta. Mas o caso é que não tenho resposta. Com vocês adultos não acontece isso? De ficar triste de repente e sem motivo? De aparecer um cansaço profundo sem que se tenha feito esforço algum?

Desculpe, moço, não queria estragar a foto. Vou ajudar o senhor. Faço uma pose assim, ó, com a mão no chapéu, como se estivesse te cumprimentando. Está bom? Muito bem, só não me peça para rir. Saudações!

.

Foto por Betzaida Mata

Foto por Betzaida Mata

 

Betzaida Mata tem 39 anos, é professora de História e vive em Belo Horizonte. Possui contos e crônicas publicados em revistas virtuais. É autora de dois livros: o romance O fundo e a luz (Editora Kazuá, 2015), e o livro de contos Homens e sucatas (Editora Penalux, 2016).

Deixe sua avaliação:
- Avaliações: 17 - Média: 4.2

2 comentários Adicione o seu

  1. Adriane Garcia disse:

    Brilhante. Bet é uma escritora que emociona. Sempre.

  2. Laércio J. Pereira disse:

    Delícia de texto. Nós que fazemos fotografias às vezes nos deparamos com a foto que não quer ser feita. O fotógrafo projeta uma ideia e o modelo tem outra oposta. Um texto muito sensível da Betzaida, como sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*